terça-feira, 22 de janeiro de 2013

A "União de Boaventura",,,?? das esquerdas,,,,


A “União da Boaventura”,,,??? Com o título “Para Unir as Esquerdas”, Boaventura Sousa Santos apresenta-se como promotor de uma Alternativa à Esquerda, ao invés duma simples alternância de Poder. Mas será uma iniciativa credível ? Infelizmente, penso que não. Ao escrever sobre os bloqueios dos Partidos de Esquerda, a serem superados com bom senso, é desigual e parcial na sua apreciação e “esquece” a realidade socio-eleitoral do Povo Português. Ao PS mimoseia com “um líder mal preparado, atado à Troika, por não ter projecto,,,só interessado em combater os rivais,,,e o PS tem Congresso e tudo pode mudar, oxalá que para bem da Democracia”. Ou seja, entra pelo PS adentro, vaticinando crises e lutas intestinas. Aos Partidos à Esquerda ( não nomeia, mas subentende-se que PC e Bloco ), apenas refere o mal de “estabelecerem condições, aparentemente rígidas para qualquer entendimento com o PS”. Nada de referir o “rasgar do Memorando e correr com a Troika”, nem os semanais ataques ao PS aliado à Direita ou a total ausência de Programa Alternativo sustentado e credível aos olhos da grande maioria dos/as Portugueses/as. E certamente com Líderes preparados para a governação, pois nada se lhe ouviu aquando dos Congressos de Bloco e PC. Tudo isto “esquecendo” que o PS tem valido e vai valendo eleitoralmente o dobro ao quase triplo de PC e Bloco. ( mesmo com estas Sondagens distantes de Acto Eleitoral ) Quanto ao resto, Estado Social, Desenvolvimento e Renegociação com a Troika ( ,,helás.. ), generalidades consensuais nos desejos, mas nada sobre como, com quem e quando. Assim não, Sr. Professor Boaventura ! Nesta postura apenas contribui para a impossibilidade da “União das Esquerdas”. União que, pessoalmente, penso só pode assentar numa ampla Plataforma, corporizada num COMPROMISSO do “Progresso com Democracia”, que envolva todas correntes que combatem a Direita Liberal e Radical e queram iniciar um Processo de restauração da soberania e dignificação do trabalho, na base dum novo Modelo Sustentável de Desenvolvimento. Plataforma que, politicamente, congregue a Esquerda e o Centro-Esquerda, e, socialmente, convergindo o Mundo do Trabalho e o Empreendedorismo Progressista. Sendo que do Bloco Social, ao Bloco Político ! ( vejam-se os Sociais Democratas e Verdes Alemães ou o Partido Democrático com os Movimentos de Esquerda, em Itália ). Como optimista, espero que Boaventura repense e reveja as suas bases para um entendimento à Esquerda. Ou será que estamos perante a 5ª via para o “Verdadeiro Partido de Esquerda” ? E, caro Leitor, qual a sua opinião e/ou intervenção ? José Carlos Albino Messejana, 22 de Janeiro de 2013 .

9 comentários:

  1. Zé, regresso à bicada, que espero e desejo que "alimentes" + amiúde.
    Não li o texto do BSS, e não penso fazê-lo. Estou farto de "iluminados", de projectos, alternativas, congressos e etc., sem qualquer base social, sempre em torno dos mesmos 20/30 nomes, sem qq espírito de auto-critica, e que invariavelmente o que produzem são... petições (veja-se o caso extraordinário da “auditoria cidadã à divida”). O caso do CDA é especial, porque, honrando a tradição fraudulenta e tacticista desses “sectores”, vai engodando people para “preparar” 1 candidatura presidencial.
    Há no entanto 1 aspecto do teu texto que motiva este comentário.
    Diz respeito ao PS. Cada vez que alguém faz algum comentário menos abonatório ao "teu" PS, tu abespinhas-te. Ora, é bom que se perceba que: 1) a situação interna dos partidos não é "propriedade" dos seus militantes. Qq pessoa tem o direito de a analisar. 2) não vale a pena fingires que no PS reina a paz do senhor. Não reina. As lutas intestinas no seu interior são notórias, há exércitos a posicionarem-se, e contam-se espingardas, e tudo isso tem reflexos evidentes a vários níveis, p. ex., nas escolhas de candidatos a eleições. Para quê ignorá-lo?
    É para mim claro, também, que o PS tem actualmente um líder mal preparado, banal, sem "escola" e sem "percurso", a não ser os do carreirismo partidário.
    Entretanto, esquece essa da "união" da esquerda. Não haverá. Por culpa de todos - PS, PC e Bloco. Por razões distintas, nenhum desses partidos está interessado nessa união. O BE acha que vai ser o Siryza português. O PC só quer defender a sua trincheira, e o PS - pela voz do seu líder - já "pediu" (quando nem sequer estão convocadas eleições) a maioria absoluta (é um "tique", quando toda a gente já percebeu que o tempo das maiorias absolutas acabou; e como argumento para a "união", é singular...).
    Não haverá "união da esquerda" enquanto não forem pulverizados, por imposição social, estes partidos do passado.
    O que haverá, após eleições, é um governo PS/CDS.
    Abraço
    Miguel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Amigo Miquel, tb. pelo regresso a este Bicada4, um pouco esquecido pelo actor/autor,,,,Bem Vindo !!!

      Indo aos ASSUNTOS em cima da mesa (,,velhos tempos,,).

      Mas 1º, uma "declaração de interesses". » escrevi, principalmente, aos leitores do Público, que leram BSS. Direi que, Carta de Réplica Pública ao Artigo "Para Unir as Esquerdas", dum laureado Sociólogo e Figura Mediática de ESQUERDA; » daqui, resulta que fora desse contexto, apresenta vários equívocos; contudo, aqui publiquei, sem qq. reparo e nota adicional. ERREI. Por isso me obriga, com gosto, a Responder a quem, seriamente, me Interpela. É o teu caso e, certamente, doutros que "queiram dizer de sua justiça". Assim:

      RESPOSTA
      »» Deixando "iluminados" e "CDA", vou ao meu "abespinhamento" e ao "meu PS". O que "me irrita e me abespi...", é a DESONESTIDADE na apresentação pública de "Grandes Análises". E, "BSS" fez várias; a saber;»refere UM Partido e OUTROS; sobre UM é abundante na descrição e desejos; sobre os OUTROS, resolve, com uma, aparente, penada. » Nestas "análises", esconde e nem assume que é "uma ESQUERDA" mais próxima DUNS, dos OUTROS; não mente, mas ENGANA. » Na "PROPOSTA", descreve, sem graça, as declarações públicas dos tais UNS, sem qq. ideia concreta sobre o como, com quem e em que tempo; mas coloca-a como a Base dum EQUIDISTANTE Compromisso das ESQUERDAS; mais uma vez, ENGANA "O PAGODE". E chega da Desonestidade que me "abespinha".
      »» "meu PS" ( coisa longa,, );
      » De facto, tenho, há 10 anos, um "cagagéssimo" do PS, mas sendo militante e dirigente Concelhio e Distrital, "não executivo"; nestas qualidades, sou CRÍTICO e disponível Internamente e DISCIPLINADO no Espaço Público Político - posição arriscada, reconheço e, dalgumas. "me penitencio".
      » mas no Escrito, considero que não defendo o PS e o seu SG, nem ataco; quanto a "lutas intestinas" refiro que BSS as "incentiva", o que, ao de leve, pressupõe que elas existem; não era sobre o PS que queria escrever, mas AGORA e AQUI posso e vou escrever. Até já,,,
      "Abreijos",,,hoje, desbundo nas "", como VPV,,

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ,,. será que fiz ASNEIRA,,,?

      E eliminei Comentário do Miguel,, ??? Só quis a duplicação do meu.

      Se fiz, mil desculpas.

      É recuperável,, ?

      Eliminar
    2. Acontece aos melhores...
      É recuperável.
      Dizia, + ou - :
      Talvez se estranhe eu ter incluido o BE no rol dos "partidos do passado". Explicação: ao contrário do que se crê, a data fundacional do BE não é 2000. Na verdade, o BE tem duas datas fundacionais: 1938 e 1956. É triste, mas é mesmo assim. E, neste caso, sei bem (por dentro) do que falo.

      Eliminar
  3. Apenas a ver se acerto.

    » 1938 - assassinato do Trotsky,, ?

    » 1956 - ruptura Sino - Soviética,,, ?

    zca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 1938 - fundação da IV Internacional
      1956 - XX Congresso do PCUS, discurso de Krutchev a romper com o estalinismo

      Eliminar
  4. Escrevendo sobre o PS.

    » Ao integrar o PS há 10 anos, descobri que há 2 Círculos de Militantes. A militância na Base/Local, clubisticamente aguerrida e socialmente global, existe mesmo.E, por outro lado, os Dirigentes & suas Estruturas, com acção Mediática. Estes 2 círculos, comunicam mal, aos solavancos e mais de cima para baixo, vivendo dos momentos eleitorais, internos e na República. E neste quadro, as "sensibilidades", as "correntes"e as "lutas internas" pouco atravessam a Base Militante; apenas votam nos finalmentes.
    Isto tudo, para dizer que o PS comporta a nultiplicidade e complexidade da Sociedade Portuguesa, pelo que não pode ser visto linearmente.
    O período Sócrático, foi desertificando a Base e Intermédias e concluí-se com um profundo descrédito "externo" e interno. O Congresso, à pressa, alinhou-se perante 2 "tendências conjunturais/contraditórias", ainda à luz dos passados. Após a "reestruturação" e "luto", a Liderança, individual e colectiva, não se afirmou publicamente, nem no "eleitorado socialista". Hoje, tal como o País, está perante um desafio/encruzilhada estrutural/ médio prazo que será, ou não, vencida em 2 anos. De facto, não está ainda preparado liderar uma Alternativa à Coligação Governamental, principalmente porque ainda não construiu um PROGRAMA e Modelo Alternativo.
    Vamos, pois, ter tempos agitados e exigentes, em que o de pior que pode acontecer é que isso se transforme numa contagem de espingardas de cliques. Eu tentarei "enobrecer" o debate, para a construção de direcções/soluções, com progresso social e económico e numa Democracia ampliada.

    Sei que me perdi, com todas estas deambulações, mas quiz pôr-me à prova. Amanhã voltarei ao Artigo. Sorry,,
    zca.

    ResponderEliminar

 
Acessos: